Décima segunda parada: As formas do mundo – Picasso (Espanha)

Olá viajantes desta maravilhosa aventura que durante onze paradas procurou descobrir aonde a Arte e Café se encontram!

Agora chegamos ao final desta jornada e ela se encerra na Espanha de 1881, na cidade de Málaga, aonde nasce o primeiro filho de José Ruiz Blasco e Maria Picasso y Lopez. A criança foi batizada com um nome que inclui diversos santos e parentes: Pablo Diego José Francisco de Paula Juan Nepomuceno María de los Remedios Cipriano de la Santísima Trinidad Martyr Patricio Clito Ruíz y Picasso!

Em torno do seu nascimento diversas lendas foram criadas, algumas das quais o próprio Picasso gostava de contar aos seus biógrafos. Em uma delas, ele nasce morto e a parteira dedica a sua atenção à mãe. Um médico, Don Salvador, o salva da morte por asfixia soprando um fumo de um charuto em sua face. O fumo fez com que Picasso começasse a chorar e voltasse à vida.

Falar de Picasso é falar de uma lenda, um ídolo, quase um mito.

Ele é reconhecido como um gênio da arte e o mais importante artista do século XX. Sim, nada menos que isso. Também, pudera: foi pintor, escultor, dramaturgo e poeta. Suas obras mudaram a forma como a Arte foi vista e, consequentemente, o mundo, a sociedade e nós mesmos, humanos.

Sua história

Seu pai foi artista, professor de arte e curador do museu de Málaga. Costumava pintar pombos nas praças e pedir para seu filho finalizar os quadros. De Málaga, a família muda-se para Barcelona e é lá que Picasso estuda arte pela primeira vez com seu pai, antes de ingressar na Academia de Artes.

Passa um período em Madri e, de lá, viaja periodicamente para Paris, a partir de 1900, passando a morar em 1904. É em Paris onde desenvolve seu trabalho focado na experimentação da variedade de formas e estilos de arte, criando ele mesmo formatos originais. Sua produção nesta época é conhecida como Período Azul e Período Rosa.

Les Demoiselles d'Avignon 1907
Les Demoiselles d’Avignon (1907)

Em 1907 Picasso pinta Les Demoiselles d’Avignon, inspirado num bordel frequentado pelo artista. O quadro revolucionou a história da Arte, pois marca o início do Cubismo e cria as bases para a pintura abstrata nascer. Nele, durante os nove meses de produção que a obra levou, o artista abre mão da luz e da atmosfera e trás claramente as formas geométricas. A obra pertence ao acervo do MOMA – Museu de Arte Moderna da Nova York .

Sua próxima inovação artística ocorre tempos depois junto ao seu amigo francês Georges Braque, em 1912, quando criam colagens, misturando roupas, jornais e propagandas em suas pinturas. A técnica foi denominada “Collage”.

Violino e Jornal (1912)
Violino e Jornal (1912)

Picasso vai, então, mudando de estilo para estilo e sendo um dos pintores de referência em cada um deles. É justamente sua facilidade em pintar em diversos estilos que o faz ser considerado um gênio da Arte. Envolve-se nesta época também com o Surrealismo e na produção de esculturas.

Guernica (1937)
Guernica (1937)

Em 1937 Picasso pinta Guernica , obra inspirada na destruição da cidade do norte da Espanha pelos alemães durante a Guerra Civil Espanhola. O mural, de 350 por 776 cm, retrata toda dor, brutalidade e desumanidade da guerra. Dizem que em uma conversa falaram para ele, olhando o quadro: “olha o que você fez” e que ele respondeu: “Não, nós fizemos isso”.  A obra faz parte do acervo do Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofia, em Madri.

Em 1944 produz sua única obra relacionada ao café: uma natureza morta com o título “A cafeteira”:

A cafeteira 1944 picasso
A cafeteira (1944)

Nela, nosso amado cafezinho ganha os traços marcantes desse incrível artista.

Poesia

A maioria das pessoas desconhece, mas Picasso também escrevia. Sua própria mãe fala sobre isso:

“Me dizem que escreve. Eu acredito que você é capaz de qualquer coisa”.

Picasso começou a escrever em 1935 quando já tinha 54 anos, justamente quando atravessava um período de crise pessoal e redefinição de seu trabalho como artista. Ele escreveu poemas em francês e espanhol com intensidade e quase que diariamente durante 1935 e 1936 e seguiu escrevendo, com algumas interrupções, até 1959, data do seu último poema conhecido. Desta produção, se conhecem mais de 350 poemas e três peças de teatro, em sua maioria disponíveis no Museu Picasso de Paris.

Poema Picasso imagem
Tête de cheval: poèmes en français
7 juin 1936 – 15 juin 1936
Paris

Um dos livros de poemas de Picasso é Pedaço de Pele (a imagem deste abaixo, inclui uma dedicatória do artista):

livro picasso Pedaço de Pele
Pedaço de Pele

Um dos textos do livro:

Depois veio o carteiro e o cobrador

de palmas e olés e o cego

da paróquia e o merlo as

meninas de Ramón e as de Dona

Paquita a filha mais velha a solteirona

e o clérigo intrigados frios

pintados de açafrão e verdes carregados

de macarrões e de uvas negras de

algodão e suco de aloe espesso e muito

direito feito rabanetes e

frigideira cheia de ovos com batatas

com torresmos cobertos de pulgas

e chocalhos a submissão ao ombro

pobres e ricos levados pela tormenta

sobre o trigo ardendo molhando

sua camisa de granizo roupa suja.

(Tradução de Fernanda Jiménez – Fonte: Falando em Literatura)

Disponível online em espanhol, temos 50 poemas de Pablo Picasso, da COLECCIÓN GELONCH VILADEGUT, que podem ser lidos tomando um delicioso cafezinho!

Abaixo, um gostinho de um deles, de 4 de janeiro de 1936:

Os quadros são loucas
Com o coração comido
Por bolhas radiantes
Inundados os olhos à garganta
Do chicote caramboleador
Agitando sobre o quadrilátero
Do seu desejo

Vida

Picasso_foto
FRANCE. Paris. Rue des Grands Augustins. Pablo PICASSO at his studio in front of “La Cuisine”. 1948.
P-FR-PIC-003[lF][lF]Contact email:
New York : photography@magnumphotos.com
Paris : magnum@magnumphotos.fr

Picasso amou diversas mulheres em sua vida. Casou-se com duas delas: Olga Khoklova e Jaqueline Roque. Ele teve quatro filhos: Paulo, Maya, Claude e Paloma. Durante 78 anos de sua vida produziu e criou artisticamente: 13.500 pinturas, 100 mil gravuras, 34 mil ilustrações e 300 esculturas e peças de cerâmica. Além, é claro, das três peças de teatro e 350 poesias. Morre, em 8 de abril de 1973, em Mougins, na França.

Todos os museus em que se encontram obras de Picasso bem como centros de pesquisa sobre o artista estão listados nessa página.

Para conhecer mais sobre o artista indicamos o longa metragem “O Mistério de Picasso” de 1954, que pode ser assistido com legendas em português.

E agora se encerra nossa aventura!

Agradecemos imensamente a companhia!

Quer nos contar como foi esta jornada para você? Escreva nos comentários! Até a próxima viagem!!

Não deixe de ler:

Décima primeira parada com: Anker

Décima parada com: Razumov

Nona parada com: Van Gogh

Oitava parada com: Berthe Morisot

Sétima parada com: Paul Signac

Sexta parada com: Pierre Auguste Renoir

Quinta parada com: Edvard Munch

Quarta parada com: Hanna Hirsch-Pauli

Terceira parada com: Rafael Barradas

Segunda parada com: Jean-Baptiste Debret

Primeira parada com: Cândido Portinari

Carol Lemos – jornalista, mudou-se de São Paulo para Alto Paraíso, onde encontra inspiração para escrever e cuidar dos pequenos Uirá Alecrim e Dhyan Eté. Carol escreve semanalmente para o blog do Grão Gourmet. E-mail: carolinalcoimbra@gmail.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *