Cafés do Brasil, saiba mais

No último post da série (POST#3: SAINDO DA FAZENDA) vimos o que acontece quando os cafés sai da fazenda,  como ele é processado, como seu preço é calculado e como as sacas são negociadas.

Hoje, vamos entender um pouco melhor a importância do Brasil no mercado global de café, quem são os principais exportadores, que tipos de cafés são exportados e quais são os principais países importadores.

Uma a cada três xícaras de café consumidas no mundo é feita com cafés proveniente do Brasil!

Se você estiver em Roma, Berlim, Nova Iorque, Tóquio ou Paris tomando um café, provavelmente seu café foi feito com alguns grãos do interior de Minas Gerais, estado responsável por metade da produção de café do Brasil.

De acordo com o primeiro levantamento da safra de 2015, realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB),  o Brasil produzirá, aproximadamente, 45 milhões de sacas de café beneficiado, sendo 33 milhões de café Arábica e 12 milhões de Conilon, embora outras fontes apontem para uma produção de Conilon acima de 15 milhões de sacas. A área cultivada equivale a 2,25 milhões de hectares, quase o mesmo tamanho do estado de Alagoas.

Produção de café arábica brasileira (fonte: USDA)
Produção de café arábica brasileira (fonte: USDA)

Assim como o Brasil, outros países também produzem cafés de alta qualidade, como Etiópia e Quênia no leste da Africa, Colômbia e Peru na América do Sul e alguns países da América Central, como Honduras, Guatemala e Nicarágua.

Produção de café no mundo
Produção de café no mundo

A diversidade de lotes de cafés produzidos no Brasil é muito grande, desde a região da Mogiana até a Zona da Mata, é possível encontrar diversas notas, aromas e sabores diferentes no café.

Como todo produtor sempre quer vender seu café pelo maior preço possível, os melhores lotes acabam sendo exportados para mercados que pagam mais por eles, geralmente os mercados desenvolvidos (maior renda per capita), como EUA, Europa e Japão. Os cafés conilon ou os arábicas de qualidade inferior acabam sendo destinados para o mercado interno.

cafés do brasil
Exportações de café do Brasil

O Brasil exporta quase todo seu café arábica e consome quase todo seu café conillon, portanto, podemos dizer que embora seja o maior produtor de café do mundo, o brasileiro pouco conhece sobre os cafés especiais. A ideia de que quanto mais forte for o café, maior a qualidade, ainda domina a percepção dos brasileiros.

No entanto, isso vem mudando à medida que a renda dos brasileiros começa a aumentar e os consumidores começam a exigir um café de melhor qualidade. A chamada “terceira onda” do café, onde a bebida é valorizada pelas suas notas aromáticas, assim como o vinho, já começa a ser vista no Brasil em diversas cafeterias.

O brasileiro aos poucos aprende a degustar um café filtrado ou preparado por outros métodos, SEM AÇÚCAR, percebendo no café não apenas o amargor que uma torra muito escura proporciona (como é na maioria dos cafés tradicionais extra forte), mas sim as diferentes notas aromáticas que só um café de alta qualidade, aliado a uma torra mais branda, traz.

Nós do Grão Gourmet seleciona exatamente esses lotes especiais e leva aos brasileiros a experiência única de provar um café muito melhor do que a média dos cafés vendidos no Brasil. Cada mês um café diferente! Que tal provar?

Conheça mais: CeCafé

Leia também:

Grão Gourmet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *