A máquina de espresso foi objeto de cobiça no passado. O eletrodoméstico entrou para as listas de casamentos e tê-lo em casa era sinal de algum status.

Porém, com a chegada das cápsulas e dos variados métodos de café coado no mercado, a cafeteira perdeu a exclusividade e a pompa. Mas há quem não se separe dela. “O espresso é meu café preferido”, confessa Rodolfo Pinheiro, cliente do Grão Gourmet.

espresso_xicaraRodolfo aproveitou sua predileção para sugerir o tema desse post por meio do facebook do Grão Gourmet. Por sinal, ele procura algumas orientações para a compra de uma nova máquina, mais moderna e eficiente. A antiga quebrou e ele não abre mão de um espresso feito em casa.

O que você procura?

Abel Martins, sócio-proprietário da Swiss Coffee Brasil (empresa especializada em manutenção e aluguel de máquinas) é quem passa algumas valiosas dicas para Rodolfo Pinheiro e para todos os fãs de espresso.

Conforme Abel, existem dois tipos dessas cafeteiras para residências: as automáticas (basta apertar o botão para extrair a bebida) e as semiautomáticas, que têm um perfil mais próximo ao das cafeterias.

Cafeteiras Automáticas, café em um clique

Nesse caso, o consumidor quer um bom espresso sem abrir mão da comodidade. Basta abastecer o reservatório de água e de grãos, e apertar o botão para a bebida cair na xícara.

Mas por trás da praticidade há muita tecnologia envolvida. Tudo isso influencia no preço. Os valores podem variar de R$ 2 mil a R$ 3.800 e as marcas mais conhecidas no mercado são Saeco, De Longhi e Jura.

Mesmo com a facilidade de ter um espresso à mão em poucos minutos, o empresário alerta para alguns cuidados essenciais e esquecidos no dia a dia: manter o reservatório de água limpo e sem resíduos, fazer enxagues para a limpeza dos bicos de saída de café e limpar sempre o reservatório da borra. “Ela causa mal cheiro quando acumulada. Aconselho também tirar essa gaveta durante à noite para o equipamento ficar ventilado”, informa.

Semiautomáticas, quase uma cafeteria em casa

Esses modelos oferecidos no mercado são variados (Saeco e De Longhi são as marcas mais comuns) e a partir de R$ 1.000 é possível adquirir uma cafeteira dessas. Porém, Abel Martins atenta para um dado importante: o moedor de grãos (caso o equipamento não tenha) é indispensável para produzir um café de qualidade. “Outra opção é comprar o pó moído em cafeterias ou lugares especializados (www.graogourmet.com), jamais em supermercados”, diz.

Aprenda tirar um bom espresso em uma cafeteira semiautomática

Quanto à limpeza do equipamento, Abel chama especialmente atenção para o reservatório da água, a “bandeja pingadeira” e o grupo, no qual é encaixado o porta-filtro. “Ali existe uma peneira que sempre acumula muito pó. Se ficar suja, mais rápido ficará entupida a saída de água”, explica.

Você gostou desse post, tem alguma dúvida específica ou sugestão? Faça como o Rodolfo Pinheiro e escreva para a gente!

Por Janice Kiss

8 ideias sobre “Como escolher uma máquina de espresso para sua casa?

  1. lindaura diz:

    Eu gostaria de ter uma cafeteira de cafe expresso, eu gosto muito do café goumet já fasso uso do café☆☆☆☆☆

  2. Ewerton diz:

    Muito boa essa matéria, estou interessado nas cafeteiras da Cuisinart, agora eu não sei se compro a AM100 ou AM200. Vou pesquisar a melhor opção.

    • Renata Kurusu Gancev diz:

      Oi Ewerton! Que bom que gostou da matéria 😉 Isso mesmo, pesquise antes de escolher a que melhor se adequa ao seu uso. Um abraço, Renata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *