Consumo de café no mundo

Que nós brasileiros adoramos um cafezinho, todos sabemos. Desde o período colonial, o café esteve intimamente ligado à nossa economia, bem como ao surgimento da cultura em cima do grão que hoje já conquistou o mundo. E em 2018 o consumo mundial de café deve registrar um crescimento de 2,9% em relação a 2017, quando alcançou a marca 158,6 milhões de sacas!

Além disso, é esperada uma super safra brasileira em 2018, com produção de 60 milhões de sacas de café.

A produção de café

Em 2017 a produção mundial de café (arábica e conilon) foi de 159,8 milhões de sacas (padrão 60 kg) segundos dados do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). Desse total, 94,9 milhões de sacas de arábica (60%) e 64,9 milhões de sacas de robusta (40%).

três pessoas colhendo café manualmente do pé de café
Colheita de café manual

A estimativa mundial para a safra 2018/19 é de um total de 171,2 milhões de sacas (101,6 milhões de sacas de arábica e 69,6 milhões de sacas de robusta), um crescimento de 7%, devido, principalmente, à super safra brasileira!

Segundo o boletim da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) de setembro, a estimativa da safra brasileira de 2018, ano de bienalidade positiva, é de 60 milhões de sacas de café (46 milhões de sacas de arábica e 14 milhões de sacas de robusta), um crescimento de 33%!

O Brasil é o maior produtor do mundo de café arábica (46 milhões de sacas, estimadas para 2018), seguido da Colômbia (14,5 milhões de sacas).

O maior produtor mundial de robusta é o Vietnã com 28,5 milhões de sacas estimadas para 2018, seguido pelo Brasil com 15,7 milhões de sacas.

O consumo de café

Você sabia que os Estados Unidos são os maiores consumidores de café do mundo e que nós brasileiros estamos bem perto de alcança-los?

Foram 25,9 milhões de sacas (de 60 kg cada uma) só no ano de 2017, enquanto no Brasil consumimos por volta de 22,3 milhões de sacas. Os números são mais impressionantes ainda com a União Europeia, que consumiu 45 milhões sacas no mesmo ano. Se considerarmos o bloco, eles sim são os maiores consumidores e quase dobram o consumo dos EUA.

Tendo em foco o Brasil, o consumo per capita, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic) em uma pesquisa de 2015, era de 6,12 quilos de café verde em grão, que equivale a 4,9 quilos de café torrado e moído ou 81 litros da bebida.

Segundo dados divulgados pela Forbes em 2017 considerando a Europa e América do Norte, a Finlândia é destaque na questão do consumo per capita, tendo um consumo de 10,35 kg do grão por pessoa em 2016. A Holanda vem em segundo, consumindo 9,58 kg, e a Suécia encontra-se em terceiro, com 9,40 kg de café sendo consumidos por cabeça. Já os países nas últimas colocações dessa lista são o Canadá (3,06 kg) e a Romênia (2,51 kg).

E embora o mercado de cafés nos países desenvolvidos esteja relativamente saturado, com um alto nível de consumo per capita, o consumo tende a crescer e as inovações na área não param. Desde o local que a cafeteria ficará localizada até qual será o design de um novo copo, há uma vontade de se destacar no mercado, diferenciar seu café do outro. Um claro exemplo disso é a rede norte-americana Starbucks, que investe na estrutura de suas lojas e em um ambiente mais intimista, para que os clientes sintam-se mais confortáveis; cria novos modos de se tomar o café, e assim consegue brilhar num mercado que é de muitos.

O consumo também teve um up por conta das cápsulas de café, que ganharam força em 2016 e continuaram vendendo em 2017. A questão aqui é uma nova forma de diferenciação de consumo, uma elitização do café que também traz status para quem o consome. Isso fica evidente, por exemplo, ao olharmos o comercial da Nespresso.

Estas tendências explicam em parte essa constante positiva que temos no consumo mundial de café, e que tende a crescer mesmo com as adversidades que pode encontrar em um mercado futuro.

Veja a tabela com o consumo de café em termos continentais, nos principais países importadores e exportadores.

Consumo de café no mundo
Dados USDA, jun 2018

 

Nesse link, você tem acesso a um mapa que mostra os maiores consumidores de café per capita.

Consumo de café per capita

Impactos do clima

Com o aquecimento global, a produção de café será afetada através de duas coisas: o aumento da temperatura e a instabilidade dos períodos chuvosos deixará as regiões de plantio ruins para a produção, e as mudanças no clima facilitam o alastramento de pestes e doenças para o grão.

Café Arábica: baixo rendimento e baixa qualidade devido a altas temperaturas.

Café Robusta: afetado por climas extremos, especialmente secas.

Um palpite para o futuro

Hoje, a maioria dos países já tem pelo menos alguns (ou milhares) de estabelecimentos de café como o Starbucks, e até mesmo cafeterias de pequeno porte especializadas em cafés especiais. Acreditamos que cada vez mais o café especial será procurado não só pela melhor qualidade quanto pela rastreabilidade até quem produziu aquele café. Esse movimento já ocorre com outros produtos e com o café não é diferente, pois já existe e cada vez existirá mais (inclusive, olha aqui o Grão Gourmet haha).

Abraço cafeinados e até mais!

Receba os melhores cafés especiais na sua casa!

Assinaturas

Assinaturas

A partir de: R$ 29,80 / mês

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.