Contos Cafeinados – Djalma Sampaio – 2

contos cafeinados - pedro santiago

O cafezal que rendeu frutos

Djalma_Sampaio_banner

“Intensidade e energia eram o que me faltava e o que mais desejava. Minha infância foi difícil, com muitos problemas de saúde. Passar três meses internado em um hospital era a única certeza que tinha em cada virada de ano. A cada dia no leito do hospital, reunia minhas forças para conhecer algo – que naquele momento não sabia o quê, mas certamente havia de ser uma vida repleta de novas sensações. Todavia, a única energia que possuía era empregada na paciência de apenas respirar.

Cresci no interior de Goiás, na antiga capital do estado – Goiás Velho. Sempre que precisava de atendimento médico, meu pai, em sua Brasília antiga (amarela), me colocava no banco de trás, e percorria o longo caminho até Goiânia. No decorrer deste trajeto, muito conhecido por fazê-lo diversas vezes, há um belo cafezal, na cidade de Inhumas. Sempre que o via sentia felicidade, pois sabia que a viagem estava chegando ao fim, e logo teria o alívio de um bom cuidado médico.

Os anos se passaram, minhas doenças também passaram, mas meu passado não passou. De maneira consciente busquei a Medicina como profissão. Ainda na faculdade observo o quanto é bom ver um paciente se recuperar, ter esperança no sentido de seu restabelecimento, e alívio quando seus sintomas passam. Por outra via inexplicável, uma verdadeira proeza do meu divino inconsciente, em certo dia fui até a uma cafeteria que um amigo meu acabara de inaugurar. Senti um prazer imenso em saborear o que ele descreveu como um “Bourbon Amarelo”, senti-me vivo, sabia que havia encontrado uma das sensações que a vida havia me prometido na infância.

Com minha mente que segue, a cada dia, numa vontade galopante que pulsa em meu ser, tento ir a diante com a medicina, já não mais como paciente; com o café, já não mais com um contato visual, mas com novas e vivas sensações que não se esgotam. A vida passa depressa, os significados mudam. Minhas doenças me ensinaram a amar, e o cafezal – depois café – se tornou o sabor, a alegria e a energia de experimentar cada segundo da vida como único, com a sua própria intensidade.”

Djalma Sampaio – Estudante de medicina e apaixonado por café

Se você também tem uma história bacana sobre café e gostaria de vê-la publicada, mande seu conto para contato@graogourmet.com.

Os contos selecionados serão presenteados com um brinde especial.

Leia também:

Dia Internacional da Mulher

Hoje, dia 8 de março, é celebrado no mundo todo o Dia Internacional da Mulher. [...]

O que é um Café Arábica?

Se você aprecia um bom café, com certeza já ouviu falar ou leu nas embalagens [...]

4 Comments

Parabéns pelos 468 anos São Paulo!

Hoje é aniversário da cidade de São Paulo! São 468 anos da cidade movida a [...]

História do Café – Origem

Você acorda e toma o seu café todos os dias! Mas você sabe a história [...]

8 Comments

Você sabe o que é um café moca ou moquinha?

Você já ouviu falar em grão de café moca ou moquinha ou peaberry em inglês? [...]

1 Comment

Diferença entre Café Gourmet, Café Especial e Tradicional

Provavelmente, você já deve ter ouvido falar neste termos: Café especial, café gourmet e café [...]

24 Comments

Receita de café cremoso

Café já é bom, agora, consegue imaginar uma receita onde ele fique extremamente cremoso e [...]

14 Comments

Arroz Doce de Café

Quentão, pipoca e forró. Os protagonistas das festas juninas e julinas sempre vêm acompanhados de [...]

3 Comments

Como armazenar café em casa?

Essa é uma dúvida muito comum e sempre ouvimos essa pergunta por aqui: como armazenar [...]

8 Comments

Cappuccino você conhece a sua história?

Por Lucas Tavares Sua fórmula tradicional é bem famosa: café, leite vaporizado, espuma. Em alguns [...]

6 Comments

13 thoughts on “Contos Cafeinados – Djalma Sampaio – 2

  1. Aparecida Cristina says:

    Querido Djalma, que alegria ler o seu texto, gostei muito e quero ver outros. Assim como saborear aquele delicioso café feito por você. Parabéns!

  2. Shirley Seba says:

    Adorei seu conto, bem real e cotidiano. Eu tenho várias e uma com muita espiritualidade. Mas preciso escrever. Abraços e vamos tomar um café um dia!!

  3. Jordão says:

    Que grande sensibilidade! Lembrei de Talleyrand, chanceler de Napoleão Bonaparte, que observou que o bom café deve ser “negro como o diabo, quente como o inferno, puro como um anjo e doce como o amor”. Nada como uma boa xícara de café na presença de bons amigos!

  4. Cristina Portugal says:

    Djalma emocionei-me com seu relato. O cheiro e o sabor do café sempre representaram para mim a cada manhã a vida que recomeça. E assim tem sido sua vida: a cada dia recomeçar com a certeza que haverá muito a comemorar no futuro, e claro com uma boa chicara de café!

  5. Margareth says:

    Gostei imensamente deste conto. Escrita leve, mas substancial. Remete aos sabores, aromas e o universo alegórico da infância.

  6. LUIZ CARLOS says:

    É assim essa vida apaixonante com café. Inicia-se de uma forma que não imaginamos mas que nos conquista aos poucos.

  7. Prof.J.Bamberg says:

    Excelente ,raro texto,com intensidade e sabor de um bom ‘café com boa prosa’!.. Parabéns!… Mais,mais e mais,café & literatura,sim,do que houver de melhor,tal e qual,esse,aqui em questão. PALMAS/Aplausos para o Grão Gourmet,por essa interessantíssima iniciativa,também,óbvio!

  8. d.sampaio.neto says:

    Renata, eu sou grato por ter reunido tantas pessoas especiais neste espaço formidável. Viva o café!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


PRODUTO INDISPONÍVEL NO MOMENTO Que tal ser avisado assim que chegar no estoque? É só deixar seu nome e e-mail que a gente te avisa.
Abrir WhatsApp
1
Você precisa de ajuda? Fale conosco!
Olá!👋
Podemos te ajudar?