Contos Cafeinados – Ana Clara Squilanti – 9

contos cafeinados - pedro santiago

Café frio

conto cafeinado

Os raios de sol entravam pela pequena fresta da janela. Ao olhar para o lado notei que ele também acordara.

– Dormiu bem? — perguntou se espreguiçando.

– Sim —menti – E você?

– Uhum.— E piscou. Era mentira também.

Eu não conseguira dormir direito e virava toda hora de um lado pro outro. Ele seguia o movimento. As pernas em vez de se entrelaçarem se repeliam, e os braços não mais procuravam o outro durante a noite. A conchinha até aconteceu, mas foi metálica, fria. A forma não era mais suficiente para nos fazer encaixar.

Ele se inclinou em minha direção e me fitou por um minuto. O olhar amistoso trazia também dúvida. Ameaçou descer a alça da minha blusa com a mão.

– Melhor eu ir. Tenho que passar em casa antes de trabalhar .— disse rapidamente. Ele me olhou surpreso. Eu não era de negar fogo de manhã.

– Tudo bem. — disse levantando da cama. Quer alguma coisa antes de sair?

– Você tem comida? — perguntei admirada.

– Hmm não. — Isso não havia mudado — Mas tenho café. Vou passar.

Assenti com a cabeça e ele saiu do quarto. Me troquei o mais lento que consegui pra dar tempo d’água ferver. Gastei mais outro tempo olhando o quarto. Sapatos pelo chão, cortina puída, um violão no canto. A cômoda ainda tinha as mesmas coisas. O abajur com a lâmpada queimada, fotos da família, um Sorine, uma pilha de livros. Mexi para ver o que ele estava lendo e encontrei um que eu havia dado ali. Saramago. Me deu uma embrulhada no estômago. Aquele tinha dedicatória. Não o abri, e devolvi para o meio da pilha.

– Carol? – ouvi me chamar da cozinha. Peguei minha bolsa e jaqueta e saí. Quando cheguei na cozinha o vi com a chaleira no fogo e o coador a postos.

– Acabou o pó.

– Tudo bem, não tem problema. Vou embora então. —E me dirigi à porta.

– Tem um resto na térmica que eu fiz ontem, não serve? — disse dando um sorriso sem graça enquanto segurava a porta para eu passar.

– Não. — Sorri de volta. Contemplei-o por um segundo antes de seguir para o elevador — Acho que é isso, né? Até mais, Pedro.

Não saiu nenhuma palavra da boca dele, mas os olhos diziam o que eu já sabia. Era o ponto final mesmo. Ninguém quer café frio.

Ana Clara Squilanti – escritora, café forte, sem açúcar 

Se você também tem uma história bacana sobre café e gostaria de vê-la publicada, mande seu conto para contato@graogourmet.com.

Os contos selecionados serão presenteados com um brinde especial.

3 ideias sobre “Contos Cafeinados – Ana Clara Squilanti – 9

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *