Contos Cafeinados – Jean Felipe Rios – 8

contos cafeinados - pedro santiago

O último café com ela

jean_felipe_rios_banner

Nos conhecemos na faculdade. Ela era linda, independente e antenada em tudo. Eu era um quase caipira da zona norte da cidade. Tínhamos afinidades por coisas como cinema, música e literatura. Ela estava entrando em um relacionamento, eu estava quase saindo de um.

Nossas conversas eram animadas e longas. Cada dia era mais difícil não pensar nela. Tínhamos uma programação em quase toda a sexta-feira. Enquanto todos saíam para encher a cara em botecos lotados, gostávamos de sair para tomar café e conversar em lugares mais silenciosos. Era esnobe? Talvez.

Mas na época era legal ter essa ilusão de que éramos um pouco mais “cults” que a grande maioria. Mas eu não ia pelo café… eu ia por ela. Obviamente amava café, sempre tomei em toda a minha vida, mas nunca tomei um café tão gostoso quando estava ali com ela. Às vezes, nas conversas, ficava um silêncio, pois o clima era palpável ali. Naquele momento somente nosso.

Um dia tudo pareceu perfeito. Desabafávamos sobre nossos relacionamentos, mas ao invés de chorar, ríamos. Nunca foi tão legal falar sobre isso com alguém. O tempo estava gostoso, as pessoas ao redor estavam felizes, era final do ano, mais um semestre que se acabava. E, para culminar em uma noite perfeita, acabamos ficando juntos. Foi um beijo há muito tempo esperado.

Uma incrível sensação de felicidade me tomava. Deixei-a no ponto de ônibus, onde nos abraçávamos em silêncio, sem definir aquilo o que estávamos fazendo. Eu me sentia eletrizado. Nos beijamos mais uma vez antes dela subir no ônibus. Ela deu um tchau quase tímido e cada um foi para o seu caminho. Foi a última vez que a vi. Foi o último café que tomamos. Em poucos meses sua vida tomou outro rumo.

Ela largou a faculdade, seu relacionamento virou casamento e viramos amigos de redes sociais. Eu terminei relacionamento, entrei em outro, terminei, mas nunca vou me esquecer do último café com ela.

Jean Felipe Rios – jornalista e louco por café

Se você também tem uma história bacana sobre café e gostaria de vê-la publicada, mande seu conto para contato@graogourmet.com.

Os contos selecionados serão presenteados com um brinde especial.

3 ideias sobre “Contos Cafeinados – Jean Felipe Rios – 8

  1. Sonia Cristina da Silva Gonçalves diz:

    CAFÉ PARA NÓS ,TEM SINÔNIMO DE AMIZADE

    O inicio da AMIZADE foi na faculdade, ela professora e eu uma simples aluna.
    Quando chegou para dar aula, uma mulher toda elegante, forte, intangível, poderosa, dona do saber e exigente. Essa foi a visão que tive. Acho que não estava atenta aos sinais de amizade. A amizade pode começar de varias maneiras, de diversas palavras e gestos, cabe a nós decifrá-los. E a nossa amizade começou de um simples recado, a professora sem conhecer minha história, e muito menos o momento, deixou um recadinho após ter corrigido um trabalho de faculdade. Esse recado fez e faz a diferença para a minha vida, tanto profissional como pessoal. A partir daí deu inicio a uma verdadeira amizade. Enxerguei com outro olhos, vi que dentro daquela mulher poderosa, elegante e dona do saber, tinha um coração enorme, maior que ela. E a nossa amizade é feita de milhões de mensagens no whatsapp, face, twitter, e-mail, carta, e muitos CAFÉS. O CAFÉ marcou nosso a amizade. Hoje ,quando estamos precisando uma da outra, a maneira de pedir socorro é pedindo um CAFÉ. Ficar sem falar com amiga é uma tortura, sofremos por abstinência de CAFÉ.
    Amigas na verdade são anjos, que estão sempre ao nosso lado, são anjos que nos acolhe, anjos que nos levantam e iluminam. Poucos têm o privilégio de ter um anjo de verdade, em seu caminho. O medo é uma sensação que ás vezes nos tomas de corpo inteiro, fechamos os olhos em busca de uma luz, e sem notar, estamos protegido debaixo das asas da Amizade. Nossa amizade por inúmeras vezes são nossa salvação,são luz na escuridão, é a mão estendida em momentos mais difíceis, assim são as AMIZADES de verdade, assim são os verdadeiros Anjos, de carne e osso como Eu e Você.
    Você é a irmã que não tive.
    Que nunca nos falte CAFÉ !
    Bruxa, Anjo, anjo ou mula?

    Obrigada, Minha AMIGA!!!

  2. DJALMA PINHEIRO diz:

    Água, vinho e, claro, café, é o que não nos pode faltar; ainda mais em forma de literatura como nesses belos contos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *