Moagem, torra, fazendas, defeitos, classificação, certificações, métodos de preparo – o mundo dos cafés especiais é vasto e, muitas vezes, o destaque fica apenas na fase final do processo: o consumo. O que poucos imaginam, porém, é que o trabalho segue intenso nos bastidores das fazendas o ano todo! Adubação, controle de pragas, podas das plantas e análise do solo são apenas algumas das preocupações dos produtores que buscam uma safra farta.

terreiro de café com um armazém ao fundo
Foto: Marcelo Rossi de Camaro Lima, retirada do blog Escolhendo Certo

Para o mês de março e começo de abril, o tempo é de se preparar para a colheita! Segundo o pesquisador do IAC (Instituto Agronômico de Campinas), Sergio Parreira Pereira, agora é o momento do agricultor fazer um checklist para garantir que nada vai atrapalhar/atrasar a coleta dos grãos. “É preciso limpar os terreiros (fazer reformas necessárias como cobrir possíveis buracos) e dar atenção especial em equipamentos importantes como o secador e lavador”, explica.

Compra de material –
“Também recomendamos que os produtores já realizem a compra de materiais como panos, sacaria, lonas, rastelos, etc.”, explica a engenheira agrônoma do IBS (Instituto BioSistêmico) e membro do IWCA Sub-capítulo São Paulo, Andrea Squilace Carvalho. Ela, que também trabalha no MDA (Ministério do desenvolvimento agrário) com foco em sustentabilidade e agricultura familiar, enfatiza a importância do controle rígido de ações da fazenda durante o ano todo. “Anotações do manejo na lavoura, das despesas e receitas são importantes para calcular melhor os custos de cada safra”, comenta.

Como o Brasil é muito grande, diferentes regiões produtoras de café apresentam calendários diferentes. “Enquanto algumas regiões se preparam para colher agora em abril/maio, as regiões mais altas e frias começam a se movimentar apenas em agosto, por exemplo”, explica a coordenadora de ações/capacitação técnica de produtores pelo SENAR, Roseli Toledo.

Para garantir um solo saudável até o próximo ano, a análise do solo é praticamente uma obrigação para os produtores. Essa é a maneira de evitar desperdícios em adubação, por exemplo. Segundo Andrea, essa é a época para o agricultor dar atenção a isso. “Esse é o momento de fazer cotações de calcário e adubos com a recomendação técnica em mãos. Tudo isso visando o equilíbrio nutricional da lavoura”, completa.

Imagem #1: Equipamento para a varrição das ruas antes da colheita. Imagem: Divulgação Bertanha

LEIA TAMBÉM:
Mulheres do café movimentam cafeicultura brasileira
Do campo à xícara, conheça a trajetória do café
O que são certificações?
O que é terroir?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *