Esse é o café edição 103 do nosso clube de assinaturas!

Para o mês de novembro selecionamos um café doce de uma variedade diferente chamada Catiguá, com processo natural (seco COM a casca) e fermentação anaeróbica.

Ele foi produzido no sítio Maracatu, que fica na região da Alta Mogiana, em São Sebastião do Paraíso, Minas Gerais.

O produtor é um holandês, Pieter Johannes, que se mudou para o Brasil para fazer um estágio e se apaixonou pela cultura do café.

Hoje faz uso das melhores técnicas de pós-colheita para ter cafés de altíssima qualidade e é um lote dele que teremos o prazer de provar esse mês ;)

Produtor: Pieter Johannes

sítio maracatu fotos

Pieter Johannes Marie Keijers é um agricultor holandês que se mudou para o Brasil na década de 1990 para fazer um estágio e não foi mais embora, consolidando sua carreira no agronegócio.

Após trabalhar em diversas culturas, se interessou pelo café e fundou sua fazenda, o sítio Maracatu, em 2008.

O sítio Maracatu possui 70 ha e fica situado entre 980 e 1.000 m de altitude, na cidade de São Sebastião do Paraíso, na região da Alta Mogiana, onde o café tem uma longa e célebre história.

Nos últimos anos, Pieter vem trabalhando com excelência para melhorar a qualidade dos seus grãos, cultivando café sob sombra de árvores e utilizando diversas técnicas de processamento pós-colheita para a melhora constante na qualidade de cada xícara de café.

  • Região de origem: Alta Mogiana, São Sebastião do Paraíso, estado de Minas Gerais

  • Fazenda: Sítio Maracatu

  • Variedades: 100% Arábica – Catiguá

  • Processo: Natural com fermentação anaeróbica

  • Altitude: 1.020 m

  • Florada: Setembro

  • Colheita: Início em Maio

  • Peneira: 16 acima

  • Pontuação: 85 pontos na escala SCA

  • Notas: Fragrância e aroma floral. Sabor doce de tangerina, mel e melaço. Corpo bom e acidez cítrica balanceada . Finalização de açúcar mascavo.

  • Certificações: Em processo de obtenção

HISTÓRIA DA REGIÃO DA ALTA MOGIANA

Mapa da região da Alta Mogiana no nordeste de São Paulo

A região da Alta Mogiana é tradicional produtora dos melhores cafés paulistas em virtude de sua grande altitude, clima favorável e larga experiência na produção de cafés finos.

A AMSC (Associação dos Produtores de Cafés Especiais da Alta Mogiana – conhecida internacionalmente como AMSC — Alta Mogiana Specialty Coffees)) congrega um grupo de produtores de cafés especiais localizados em 15 municípios paulistas — Altinopolis, Batatais, Buritizal, Cajurú, Cristais Paulista, Franca, ltirapuã, Jeriquara, Nuporanga, Patrocínio Paulista, Pedregulho, Restinga, Ribeirão Corrente, Santo Antônio da Alegria e São José da Bela Vista — e 8 municípios mineiros – Claraval, Capetinga, Cassia, Ibiraci, Itamogi, Sacramento, São Sebastião do Paraíso e São Tomas de Aquino –  especialmente selecionados por sua altitude e qualidade de seus cafés, distribuídos em meio aos polos cafeeiros de Franca, Pedregulho (um dos municípios mais altos do estado) e Altinópolis.

A maioria das fazendas da região é pequena, mas há também grandes e importantes propriedades. A Alta Mogiana desfruta de uma infraestrutura excelente com acesso fácil à tecnologia, mão de obra qualificada, com excelentes rodovias que facilitam o escoamento de produção.

A AMSC seleciona cuidadosamente seus membros, ou seja, busca cafeicultores com absoluta dedicação à qualidade para formar um grupo de fazendas focadas não só em excelência em todos os aspectos de qualidade e sustentabilidade, mas também em atender às diversas exigências e necessidades dos clientes, sejam eles cafeterias e compradores de café verde, tanto nacional como internacional.